Português

Cândida Borges é musicista contemporânea e artista interdisciplinar: pianista, cantora, compositora, performer e educadora. Desenvolve carreira com artes sonoras e visuais sobre composição multicultural em NY como investigação do seu Doutorado em Processos Criativos pela Plymouth University (UK/ 2018). Bacharel e Mestre em Piano (UFRJ/ 2005), é Professora Adjunta da Escola de Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO/2009). Tem sido professora convidada de outras universidades e festivais, tais como a Montclair State University (US/ Jazz performance), Universidad de Antioquia (Colombia/ Mestrado em músicas latino-americanas), Festival Moving Arts Lab (US), Universidade Cândido Mendes (RJ), Universidade Federal do Rio de Janeiro, entre outros. Premiada pela FUNARTE (2013), Cândida ganhou uma residência artística em Nova Iorque para especializar-se em Produção de Música Eletrônica pelo SAE Institute (NY/US). Desde então, vem apresentando suas obras e interpretando outros compositores, gravando e produzindo trabalhos na cena da música eletrônica internacional, erudita, da performance e do cinema, com produtores internacionais, tais como Dan Freeman (US), Corey Baker (US) e Rami Abousabe (US), Alê Siqueira (SP), Deeplick (SP) e Patife (SP). Junto ao selo Touch of Class (NY), lançou diversos álbuns e faixas na cena da música eletrônica. Em 2014 foi selecionada pelo Immigrant Artist Program da New York Foundation for the Arts, que integra desde então como artista e mentora. Dedica-se a pesquisas em artes interdisciplinares, formando-se nas técnicas Linklater e Viewpoints (NY). Tem participado de residências artísticas e exposições, concertos e conferências internacionais por Nova York, Amsterdam, Berlim, Colômbia, Chile, Panamá, México, Inglaterra, Salvador, São Paulo, Rio de Janeiro, Acre. Desde 2016 integra o International Interdisciplinary Artists Consortium em Massachussets (USA) e  integra o Instituto D’O Passo, sobre pesquisas em educação musical. É também pesquisadora da Rede Latino Americana de Inovação Social LASIN, coordenadora da ONG Casa de Arte e Cultura desde 2001 (RJ) e da World Music Academy em NY.

 

——–xx———–

 

COMPLETO:

Cândida Borges é musicista e artista interdisciplinar. Desenvolve carreira com artes sonoras, digitais e experimentais, como investigação do seu Doutorado em Processos Criativos pela Plymouth University (UK/ 2018). Bacharel e Mestre em Piano (UFRJ/ 2005), especialista em Produção Musical (SAE Institure/ NYC/ 2013), é Professora Adjunta da Escola de Música da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, dos cursos de bacharelado e licenciatura em Música e MPB.

No estudo da interpretação e composição, formou-se Mestre em Piano pela UFRJ, onde também se graduou em piano, cursou composição, canto e lecionou. Obteve várias outras formações, como canto erudito e popular, regência, harmonia, arranjo e tecnologia musical. Suas imersões incluem estudos com a Meredith Monk Ensemble, a técnica Lucid Body, Viewpoints, Linklater, Somatic Voice, TaKeTiNa, com os produtores vocais Craig Derry, Andrea Hearing e Jeannie Lovetri, e músicos como Barry Harris, Richard Clements (US), Carlos Almada, Marco Pereira, Miriam Grosman, Sônia Goulart, Jacob Herzog, Laís Figueiró, Rodolfo Caesar, Rodrigo Ciccheli, Marcos V. Nogueira, Vanda Freire, Sara Cohen.

Como educadora,  tem sido professora visitante em outras universidades e festivais do mundo, como a Montclair State University (USA), UFRJ, Cândida Mendes e a Universidad de Antioquia (Colombia). É autora do programa “Inter: mundo e universidade”, que atua em metodologias alternativas de educação musical e promoveu diversos workshops de expoentes musicais na UNIRIO.

Atenta às questões políticas e sociais da arte, fundou e coordena a ONG Criarte Casa de Arte & Cultura, que promove projetos artísticos e educacionais em todo o Brasil, e colabora com outras instituições e projetos em diversos países. Destaca-se sua contribuição para a Red de Escuelas de Música de Medellín (2018), a Escola de Música Afro-baiana do Maestro Letieres Leite  (Fundação de Cultura da BA, 2011-12),  o projeto Pequenos Grandes Amigos (RJ/ 2005-09), e a coordenação do Núcleo de Inovação Cultural e Social da UNIRIO (2017) para a Rede LASIN.

Como pesquisadora, tem diversos artigos publicados e atua em projetos de composição multimídia e inovação em educação musical. Dedicou-se desde tenra idade às pesquisas musicais, através de práticas acadêmicas e artísticas no Brasil e no exterior, especialmente EUA e América Latina. Destaca-se sua investigação para a Fundação de Cultura do Acre, que resultou no artigo sobre composição e ayahuaska (Acre/ 2016); artigos sobre interpretação pianística resultantes de sua formação acadêmica;  sobre inovação social para a Rede LAtionamericana de Inovação Social Lasin (Glasgow/2017); sobre Bjork, para a revista Vermelho (SP/2013).

Como escritora/influenciadora digital, colaborou com artigos e podcasts para diversos sites e revistas sobre arte, como o Pauliceia do Jazz, a Revista Vermellho (SP), Jardim da MPB,  Palco Digital e o seu próprio blog http://www.candidalua.blogspot.com, onde apresenta suas crônicas e poesias.

Além da docência, atua como compositora, pianista, cantora e regente, no meio erudito contemporâneo e no meio pop/popular. Seus trabalhos incluem nomes como Egberto Gismonti, Marco Pereira e Carlinhos Brown. Atua vastamente como camerista e solista, participando de inúmeras obras, festivais, recitais e gravações. Destaca-se o duo de piano com o trompetista Maico Lopes desde 1997, o concerto com a Terra Symphony (2015) em NY sob regência de Arthur Barbosa, o 2o Encontro Internacional de Trompetes (2009/ UFBA) em duo com o trompetista Naílson Simões; tour em concerto solo com a Caravana do Mercado Cultural, iniciativa internacional da ONG Via Magia (BA); a trilha original do espetáculo de dança contemporânea “Descaminhos” pela Esppiral Cia de Dança (SP/2010);  trilha do filme “Capitães de Areia” (2011) com Carlinhos Brown (BA) e o produtor Alê Siqueira (SP); participação no DVD da cantautora Erika Ender (Panamá) (2011); temporada 2009 do Sarau du Brown com Carlinhos Brown, além de trabalhos e shows com Lucinha Lins, Kleiton Ramil, Sérgio Ricardo, entre outros.

Em 2011, estreou sua carreira autoral no segmento Indie Pop, com o lançamento do EP “Cândida”, dirigida pelo premiado produtor Alê Siqueira. Com este trabalho, foi premiada em concursos, como o Festival IRDEB (2011 e 2012), Festival 5 min (BA/ 2012), “Promoção de Novos Artistas” (SEC RJ/MTV)  para gravação de videoclipe, indicada como “artista da semana” em agosto/2013 para a TuneCore, e figurou no Top 10 de World Music em Nova York. Em 2012, estreia suas produção artísticas interdisciplinares, lançando produções audiovisuais contemporâneas, como teasers e clipes, e o single “Te Devorar”, produzido por DJ Deeplick e o pianista cubano Pepe Cisneros, em São Paulo.  Ainda em 2012, obteve o primeiro lugar no Prêmio FUNARTE, sendo contemplada com uma residência artística em NYC em 2013, quando cursou o SAE Institute, a escola de música eletrônica Dubspot, a New York Jazz Academy, além de adquirir vivências, produções artísticas e imersões em outras escolas de Gospel, R&B, Jazz, com importantes personalidades como Jeannie Lovetri, Craig Derry, Timotly Riley, Aubrey Johnson, entre outros. Cândida protagonizou o ensaio fotográfico da croata Nova Bajamonti e gravou com diversos produtores musicais de NY. Fruto desta temporada, lançou pelo selo Touch of Class o álbum “Sweet romance” (2013) com o Duo Pattern Drama, com colaborações em voz, composição e piano de Cândida. Junto a este selo, inúmeros outros trabalhos foram lançados nos anos subsequentes, figurando em importantes coleções do meio como “Indian Summer”, “Buddha Bar” e em topo de pesquisas do site “Beatport”. Em 2014, foi selecionada no Mentoring Program for Immigrant Artists da New York Foundations for the Arts, através do qual expôs e lançou o videoclipe “Memória e Fado” na Lorimoto Gallery, Brooklyn (Ago/15). Em 2016, sua obra de vídeo/música “Reza pro mar” foi selecionada para a exibição “Borderless”, com promoção da NYFA  e apresentada em Berlin, Amsterdam e NYC. Em 2018, sua obra de video/musica Palm Hand foi exibida em Plymouth (UK), Massachussets (US) e Medellín (Colombia).

Dentre as residências artísticas, conferências, e mesas redondas, foi expositora na Residência de Inverno da  Transart (México, 2018),  XII Seminário Nacional de Teoria y Historia el Arte –  Medellín (2018);  Seminário “Arte, Inovação e Sociedade” (Rio de Janeiro/2017),  2o Painel Fest-Fic de Educação Musical (Rio de Janeiro/2018), IX Congreso Internacional de Artes en el Caribe (Cartagena, 2017); Lasin Conference on Social Innovation (Panama/ Medellin/ 2018), Moving Arts Lab (Massachussets, 2016/17/18), Seminário “Música e Empreendedorismo” (Rio de Janeiro, 2016), Seminário “Tradições Afro-Ameríndeas na Universidade” (Rio de Janeiro/ 2015), Seminário Mídia e Educação (Rio de Janeiro/ 2015) entre outros.

Tem sido membro de sociedade como a Dalcroze Society (US), Brazilian Chamber of Commerce (US), America Society (US).

Atualmente Cândida trabalha em sua tese de doutorado, prepara o lançamento de seu livro  com pesquisas e entrevistas sobre o pianismo de Egberto Gismonti, atua como professora convidada e prepara novas composições artísticas.